illuminati-1

Nella Tradizione esiste un termine specifico di cui molti non conoscono il significato: l’Egregora. Cosa sono le Egregore? Si tratta di “insiemi energetici” frutto della focalizzazione del pensiero e della volontà di una o più persone, che col tempo finiscono per avere vita propria. Più il tempo passa e più l’egregora è forte, essendo il frutto di una focalizzata attività psichica conscia o inconscia. Chiarirò bene questo concetto. Mi sono domandato varie volte come è possibile che la gente si lasci “mangiare” energeticamente, senza mai reagire, da gruppi, organizzazioni, enti, squadre di calcio, partiti politici, sette, religioni, ecc. C’è un’unica risposta: l’ignoranza!

Dovete sapere che i meccanismi sfruttati da questi enti sono diabolici e servono per inglobare le energie di tutti i loro affiliati. Come ci riescono?
Le organizzazioni di qualsiasi tipo, quando vengono fondate, cercano come prima cosa un simbolo o un logo che le rappresenti. Ad esempio, l’organizzazione calcistica della Roma ha come simbolo la testa di una lupa, mentre quella della Lazio ha l’aquila. In ambito religioso i cattolici posseggono croci e madonne, gli ebrei la stella a sei punte, etc. Lo stesso avviene anche in ambito politico dove in passato i comunisti hanno adottato la falce e il martello e i nazisti la svastica. Sino agli attuali quercia, ulivo, tricolori, margherite e così via all’infinito.

Come seconda cosa vengono scelti i colori, perché essi assorbono le vibrazioni dei pianeti da loro rappresentati, aiutando con le loro forze la realizzazione del progetto originario. Ad esempio, i comunisti russi erano sotto Marte, dio della guerra, il cui colore è il rosso, il cui simbolo è il martello e il cui metallo è il ferro. Il martello è anche il simbolo di Thor, dio nordico della guerra, che può essere equiparato al dio Marte, da cui deriva Marte-llo, mentre la falce rappresentava la Luna, che con un pò di acqua “frenava” i suoi bollori. Possiamo passare ad un esempio più vicino a noi, la religione cattolica: il suo simbolo principale è la Croce, che rappresenta i quattro elementi con il quinto nel fulcro centrale. In questo contesto entrano le immagini dei santi, delle Madonne e i molti altri simboli impiegati per catturare nella rete chi ignora. Perché tutto questo serve a creare un Egregore.
Praticamente ogni gruppo di persone sotto qualunque simbolo crea un’Egregora. Dunque, cosa è un Egregore?

Non è altro che un’entità energetica intelligente sviluppatasi da un raggruppamento di persone con le medesime idee e serve per il bene o per il male e può crescere fino a diventare universale, immenso.

La maggioranza delle organizzazioni quando mette in essere questi meccanismi ignora tutto ciò, ma la Egregore, viene comunque generata.

Quante volte si è sentito il nostro vicino dire: faccio parte di questo gruppo, appartengo a quest’altro gruppo, sono socio di… sono di sinistra o di destra, sono cattolico, sono ebreo o musulmano, ecc… Qualunque sia il gruppo d’appartenenza, quando una persona dichiara di farne parte non è più una persona libera, bensì prigioniera di una rete, con le sue regole, doveri, obblighi e costrizioni. Un giovane tifoso, ad esempio, che segue la squadra del suo cuore, non ha nulla di strano, di malvagio, ma alla fine della partita si sentirà scarico e ciò gli durerà una settimana più o meno, in quanto ha usato i suoi “fuochi interiori” mettendoli a disposizione dell’Egregore della squadra, indipendentemente dal fatto che essa abbia vinto o perso. Questo perché l’energia, la sua energia, è stata “mangiata”.

A volte a causa dell’Egregora si possono avere reazioni negative, in quanto le Egregore possono essere positive o negative. Basti vedere cosa è stata capace di fare la nostra religione nel Medioevo, usando l’energia negativa della propria Egregora.

Vi invito a osservare dei manifestanti di qualsiasi gruppo politico che si accingono a manifestare. Giorni prima iniziano i “riti” di preparazione, riunioni fra i diversi sottocapi, durante le quali si creano slogan e frasi che possano colpire il pubblico (mantra di potere) e che alcuni di questi scriveranno su grandi teli per essere usati come bandiere.

Così tutti, inquadrati e presi nella rete dell’Egregora come un esercito, sono pronti a manifestare e allora avviene che tutti i partecipanti perdono l’individualità e il tutto si trasforma in un unico essere, il “serpentone”. Si tratta di un’unica e sola mente che dirige il tutto: l’Egregora! E chi assorbe tutta quest’energia è colui che possiede la chiave d’ingresso nella “rete”. Così un essere pensante, un individuo, si converte in massa e può essere manipolato a volontà. Scompare, diventando una cellula acefala e al servizio dell’Egregora.

Quest’Egregora è la somma di tutti i componenti con le loro idee e diviene un ente vivo e intelligente che agisce sulla vita di ogni affiliato vampirizzandolo energeticamente, fino a quando questi non prende coscienza e si libera definitivamente.

I più grandi specialisti nella creazione di queste mega-egregore, sono soprattutto le grandi religioni. La stessa parola significa ri-legare o legare alla rete e quando ciò accade non possiamo opporci perché vuoi dire che siamo completamente senza coscienza. Così, fin dai primi giorni di vita, siamo inseriti nella grandissima, mondiale rete di una religione che ci educa di conseguenza, con i suoi catechismi, riti, inni, canti, gesti, simboli, talismani e amuleti (reliquie) e ogni tipo di doveri, così che per uscirne definitivamente occorre un’impresa formidabile come le fatiche di Ercole. E’ come essere in un carcere a vita e volente o nolente, si è legati alla rete. Così da neonato e fino alla fine della vita ti assorbono e continuano a vampirizzarti le migliori energie legate ai sentimenti.

E chiaro che avere una fede o condividere idee politiche, sportive o altro non comporta nulla di negativo, sempre che si abbia coscienza di quello che si fa. Importante è non appartenere, essere affiliato o far parte di qualche Egregora che potrebbe vampirizzare le proprie energie. Attualmente, facendo un calcolo approssimativo, abbiamo un 99% dell’umanità che vive “prigioniera” di qualche Egregora e ne porta con orgoglio all’occhiello il segno, per affermare che fa parte della Rete. Invece, l’uomo che ragiona, che possiede una coscienza sveglia, partecipa a tutto di sua volontà, senza appartenere a nulla, è un uomo libero e appartiene solo a sé stesso e all’umanità.
E’ un libero pensatore, è un iniziato, è un maestro di vita.

TRADUÇÃO DO GOOGLE…

Tradição não é um termo específico que muitos não sabem o significado: o Egrégora. Quais são Egrégora? É fruto de “conjuntos de energia” do foco do pensamento e da vontade de uma ou mais pessoas, que eventualmente acabam por ter a sua própria vida. Quanto mais o tempo passa, mais a egrégora é forte, sendo o resultado de uma atividade mental consciente ou inconsciente focado. Vou explicar bem esse conceito. Eu me perguntei várias vezes como é que as pessoas estão deixando “comer” de energia, nunca reagir, grupos, organizações, clubes, times de futebol, partidos políticos, seitas, religiões, etc .. Só há uma resposta: a ignorância!

Você deve saber que os mecanismos explorados por estes organismos são maus e são usados ​​para incorporar as energias de todas as suas afiliadas. Como é que eles fazem?
Organizações de qualquer natureza, quando são bem fundamentadas, buscando em primeiro lugar e acima de tudo um símbolo ou logotipo que representa. Por exemplo, a organização do futebol como um símbolo de Roma tem a cabeça de um lobo, enquanto que Lazio tem a águia. Na esfera religiosa católicos possuem cruzes e Madonnas, os judeus, a estrela de seis pontas, etc O mesmo também acontece na arena política no passado, onde os comunistas adotaram a foice eo martelo e da suástica nazista. Até que a corrente de carvalho, oliveira, tricolor, margaridas e assim por diante ad infinitum.

A segunda coisa que as cores são escolhidas, porque absorvem as vibrações dos planetas que representam, ajudando com as suas forças a realização do projeto original. Por exemplo, os comunistas russos estavam sob Marte, deus da guerra, cuja cor é o vermelho, o símbolo do que é martelo e qual o metal é o ferro. O martelo também é o símbolo de Thor, o deus nórdico da guerra, que pode ser equiparado ao deus Marte, daí Mars-llo, enquanto a crescente representando a lua, que com um pouco de água “contido” suas aveia selvagem. Podemos passar para um exemplo mais perto de casa, a religião católica: seu principal símbolo é a cruz, que representa os quatro elementos com o quinto lugar no hub central. Neste contexto, vêm as imagens dos santos, Madonnas e muitos outros símbolos utilizados para capturar aqueles que ignoram a rede. Por que tudo isso serve para criar uma Egrégora.
Praticamente todos os grupos de pessoas sob qualquer símbolo cria un’Egregora. Então, o que é uma Egrégora?

Não é nada, mas uma energia inteligente entidade desenvolvido por um grupo de pessoas com as mesmas idéias e é usado para o bem ou para o mal, e pode crescer até tornar-se universal, imenso.

A maioria das organizações ao se colocar no lugar desses mecanismos ignora tudo, mas a Egrégora, ainda é gerado.

Quantas vezes você já ouviu o nosso vizinho dizer: Eu sou parte deste grupo, eu pertenço a este outro grupo, eu sou um membro de … são para a esquerda ou direita, eu sou católico, judeu ou muçulmano são, etc … O que quer que grupo d ‘membros, quando uma pessoa afirma ser parte dela já não é uma pessoa livre, mas preso em uma rede, com suas próprias regras, deveres, obrigações e restrições. Um jovem fã, por exemplo, que segue a equipa do seu coração, não há nada de estranho, mal, mas no final do jogo você vai ouvir o escape e isso vai durar uma semana ou assim, como ele usou os “fogos interior “, tornando-os disponíveis dell’Egregore da equipe, independentemente de ele ganhou ou perdeu. Isso ocorre porque a energia, a sua energia, tem sido “comido”.

Às vezes porque dell’Egregora pode ter reações negativas, como a Egrégora pode ser positivo ou negativo. Basta ver o que ele era capaz de fazer a nossa religião na Idade Média, com a energia negativa de sua Egrégora.

Convido-vos a observar os manifestantes de qualquer grupo político que vão demonstrar. Dias antes de iniciar os “ritos” de preparação, reuniões entre os vários tenentes, durante os quais você criar slogans e frases que podem afetar o público (mantra de poder) e que alguns deles vão escrever em folhas grandes para serem usadas como bandeiras.

Portanto, tudo o backup, e capturados nas dell’Egregora líquidos como um exército, eles estão prontos para demonstrar e então acontece que todos os participantes perdem a sua individualidade ea coisa toda se transforma em um único ser, a “serpente”. É uma só e mesma mente que dirige tudo: Egrégora! E quem absorve toda essa energia é aquele que detém a chave de entrada na “net”. Assim sendo um pensamento, um indivíduo, é convertida em massa e pode ser manipulado à vontade. Desaparece, tornando-se um acéfalo celular e serviço dell’Egregora.

Quest’Egregora é a soma de todos os componentes com as suas ideias e se torna uma entidade viva, inteligente, que age sobre a vida de cada filial vampirizzandolo energicamente, até que eles não têm consciência e liberdade para sempre.

Os maiores especialistas na criação destes mega-núcleos, são especialmente grandes religiões. A palavra em si significa re-tie ou laço para a rede e quando isso acontece, não pode opor-se, porque você quer dizer que estamos completamente sem consciência. Assim, desde os primeiros dias de vida, estamos envolvidos na grande rede, em todo o mundo de uma religião que nos ensina nesse sentido, com os seus catecismos, rituais, hinos, músicas, gestos, símbolos, talismãs e amuletos (relíquias) e todos os tipos de deveres, para que com isso definitivamente deve ser uma tarefa formidável como os trabalhos de Hércules. É como estar em uma prisão para a vida e, gostando ou não, ela está ligada à rede. Então, a partir de recém-nascido e até o fim da vida continuará a absorver e vampirizzarti os melhores sentimentos relacionados com a energia.

É claro que ter uma fé ou compartilhar crenças políticas, esportivas ou de outra não quer dizer nada negativo, desde que você tenha consciência do que você faz. É importante não fazer parte, seja filiado ou ser parte de algum Egrégora que poderiam vampirizar suas energias. Atualmente, fazendo um cálculo aproximado, temos um 99% da humanidade que vive “prisioneiro” de algum Egrégora e tem a marca com orgulho e alegria, para dizer que faz parte da Rede. Ao invés disso, o homem que pensa que tem uma consciência desperta participa de toda a sua vontade, sem pertencer a qualquer coisa, é um homem livre e pertence somente a si mesmo e à humanidade.
É um pensador livre, um iniciado, é um professor de vida.

http://www.visionealchemica.com/le-egregore-ed-il-vampirismo-psichico/

Anúncios