O Controle da Mente Subconsciente

Todos nós já experimentamos esse estranho fenômeno que ocorre em nossas vidas: sabemos o que é certo, mas não podemos agir de acordo com isso; sabemos o que é errado, mas não renunciamos a fazer o que é errado. Tomamos resoluções muito boas, mas, antes que estejamos conscientes disso, elas são destruídas, da mesma maneira que um dique de areia diante da onda gigante. Ficamos confusos e frustados. Um exame dessa situação revelará que estamos tomando resoluções com a parte consciente da mente e nós mesmos estamos frustando nossas resoluções com outra parte dela, a subconsciente, da qual sabemos muito pouco. Essa é uma região obscura da mente.

No momento em que tomamos a sério a tentativa de controlar nossa mente, somos afligidos por dificuldades internas. Quanto mais persistimos, durante algum tempo nossas dificuldades poderão se tornar maiores. Surpresos, perguntamo-nos: “Ora essa! Será que estou piorando a cada dia que passa, e isso desde que tomei a decisão de levar a sério a vida espiritual?”. Não temos de nos preocupar se a situação parece piorar. É exatamente como sempre foi. O que acontece é o seguinte: ante a decisão de tentar controlar de modo deliberado nossa mente consciente, entramos em choque com as forças contrárias de nossa mente subconsciente. Essas forças contrárias não são nada mais que nossos samskaras ou tendências e impressões passadas armazenadas. O que for que pensemos ou façamos deixa uma impressão potente em nossa mente. Essas impressões saltam da mente subconsciente e buscam expressão e manifestação. Quando não estão de acordo com aquilo que estivemos pensando com a mente consciente, causam conflitos.

A mente subconsciente é como o porão de uma casa. Você não sabe quanto lixo existe lá, até que um dia decide limpá-lo. Quando começa a tarefa, não sabe ao certo que tipo de coisa e bugiganga vai encontrar ali. Logo você se cansa e deixa o trabalho incompleto. Então o porão continua a ser um porão e dificilmente servirá como uma sala de estar. Mas, a não ser que limpemos o porão de nossa mente subconsciente, jamais estaremos seguros de poder controlar a mente consciente. Portanto, devemos encontrar meios de aclarar essa região escura da mente subconsciente. Como poderemos fazê-lo?

Suponha que queiramos limpar um tinteiro. Como o faremos? Derramamos água limpa no recipiente; conforme a tinta seca se encharca, um tipo de água mais escura vai surgindo durante algum tempo. Em seguida uma mais clara e menos impregnada de tinta vai aparecendo. Por fim, já não vemos mais qualquer traço de tinta. A água limpa jogada no vidro faz com que só saia água limpa do mesmo. Uma das maneiras de se limpar a mente subconsciente é derramar pensamentos puros e santos em nossa mente e deixá-los mergulhar bem fundo em nós mesmos. Os pensamentos santos são como a água pura. Unicamente não devemos ficar amedrontados quando percebermos a saída da água escura de dentro de nós, num determinado momento. Se persistirmos em derramar pensamentos puros, virá um tempo em que teremos esses pensamentos saindo de nosso interior. Poder-se-á então considerar efetivada a limpeza da mente subconsciente. Então não será difícil o controle da mente consciente.

Não devemos pensar, contudo, que o subconsciente armazena apenas o mal. Ele também armazena todos os nossos pensamentos e experiências boas e nobres do passado em forma de semente. Assim, temos no subconsciente depositados tanto a ajuda como a oposição a nossos esforços para controlar a mente. Nossa tarefa será reduzir a oposição e aumentar a ajuda.

– Swami Budhananda (traduzido do livro “The Mind and Its Control”)

viaO Controle da Mente Subconsciente | Vedanta.

Anúncios