Você certamente já ouviu que aprender um novo idioma, principalmente depois de adulto, é mais difícil. Isso porque a plasticidade do nosso cérebro já não é mais a mesma. De acordo comRobert Bley-Vroman, em seu livro Linguistic Perspectives on Second Language Acquisition, encaramos o aprendizado como uma forma de resolver problemas, diferentemente de crianças quando aprendem a se comunicar. Mas isso não significa que tudo está perdido. Estudos mostram que, com a dose certa de motivação, pessoas que começaram a estudar novas línguas já adultas conseguem atingir o mesmo nível de proficiência do que falantes nativos. 

E, falando em motivação, separamos hacks que podem potencializar seu aprendizado. Siga essas dicas e, mais cedo do que você pensa, estará se comunicando em outra língua – confira:

1. A técnica da repetição espaçada

A ideia é revisar as coisas que você aprendeu em intervalos determinados.  Um conhecimento novo precisa ser revisado mais constantemente, digamos várias vezes em uma mesma sessão de estudos. Depois as revisões se tornam mais espaçadas – uma vez ao dia, uma vez a cada dois dias, duas vezes por semana e por aí vai, até que o conteúdo esteja fixado em sua mente.

O diagrama abaixo mostra como a repetição pode ajudar a reverter a curva de esquecimento natural:

Um app que te ajuda na questão da repetição espaçada é o Duolingo. Falamos dele aqui (e também listamos outros serviços gratuitos para quem quer aprender um novo idioma). 

2. Estude antes de dormir

Quando você dorme, o cérebro transfere parte de suas memórias de curto prazo para um “arquivo”, onde são armazenadas suas lembranças. Cochilar após uma sessão de estudos pode ajudar seu cérebro a reter informações importantes.

3. Estude o conteúdo e não a língua

Muitas escolas de idiomas ensinam lições de gramática e interpretação de texto. Mas um estudo provou que aprendemos uma língua mais rápido quando estudamos outro assunto ensinado no idioma e não a gramática e o vocabulário em si. Por exemplo, em vez de ensinar como se chamam alimentos em francês, seria mais produtivo aprender sobre culinária francesa em uma aula inteiramente na língua – seria uma forma mais natural de compreensão para nossos cérebros. E, com isso, estudantes também passam a se acostumar com a conversação no outro idioma.

4. Pratique todos os dias

Vamos combinar, se você é uma pessoa muito ocupada, é capaz que esqueça de estudar, ou acabe acumulando seu estudo pra um único dia da semana. Mas a melhor forma de reter informações é praticar um pouco todos os dias. Pense em seu cérebro como uma caixa de e-mail – se você manda muitas mensagens pesadas de uma vez, os e-mails não ficam, são devolvidos para o remetente. O mesmo acontece com conhecimentos e o cérebro. Você precisa dar tempo ao tempo e esperar o cérebro ler e arquivar as mensagens antes de enviar novos “anexos pesados”.  Um truque para acelerar esse processo são as sonecas, como já citamos.

5. Misture novas informações com conceitos que você já entendeu bem

Repetir sempre as mesmas coisas não te ensina nada de novo. Parece óbvio falar isso, mas esse conceito prova que misturar informações novas com coisas que você já aprendeu é o ideal para revisar e criar novos conhecimentos ao mesmo tempo. Faça isso com textos em diferentes tempos verbais, ou com palavras que você desconhece. Tentar decorar o vocabulário por si só é, literalmente, tentar reter na memória todo o conteúdo de um dicionário

http://revistagalileu.globo.com/Life-Hacks/noticia/2014/07/5-hacks-para-aprender-um-novo-idioma-melhor-e-mais-rapido.html

Anúncios